Você desenhou, programou, compôs, projetou, testou e finalmente terminou de desenvolver seu amado indie game. E agora?

Esta é uma das fases mais complexas e faz parte do que chamamos de pós-produção ou pós-desenvolvimento. É o momento de mostrar pra todos como seu jogo ficou, colher o feedback, receber críticas e elogios, saber como seu game será recebido pelo público. É a fase de publicação.

Nesta fase é quando precisamos nos empenhar para atingir quem realmente importa para nós: os jogadores. Contudo essa é também a fase onde muitos projetos empacam, não conseguem dar continuidade e são engavetados, muitas vezes por vergonha dos desenvolvedores de mostrarem seus trabalhos, muitas vezes por indisposição, mas frequentemente pela dificuldade que é efetivar seu jogo no mercado. Para entender melhor do que estamos falando, vamos apresentar as principais plataformas de aquisição de um jogo, tanto indie quanto AAA.

Em PC temos a Steam. Para ingressar nela precisamos passar por baterias de votação, aprovação e interesse do público, elaborar uma série de conteúdo extra (steam badges, achievements, trading cards, trailers, screenshots etc…). Após tudo isso nosso game entra no processo de Greenlight, a famosa luz verde que basicamente significa “Ok, pode expor seu jogo aqui”. Porém ao receber essa luz verde o jogo entra num processo de votação com um piso mínimo de votos de interesse do público e só então ele ingressa oficialmente na plataforma.

ss_b208def4d78a761118a0a79ed9f9d93992d831c4.600x338Para dispositivos Android e iOS temos respectivamente a Google Play e a Appstore que são lojas de aplicativos mobile em geral e que são um mercado muito amplo para inserir um indie game, pois possuem, entre outros aplicativos, livros e músicas. Para que seu jogo ingresse na Google Play é necessário que o publicador tenha uma conta de desenvolvedor, cujo custo é de US $ 25,00 taxa única. Já para ingressar na Appstore é um pouco mais complicado, você precisa pagar uma taxa anual de US $ 99,00 preencher uma bateria de documentações para obter uma conta de desenvolvedor Apple e você precisa desenvolver e publicar o produto a partir de uma plataforma Mac OSX.

certificat-app-store-google-playNão vamos entrar em detalhes de publicação para plataformas mais profissionais como XBOX Live e PlayStation Network, pois estas são extremamente complexas e geralmente desenvolvedores que focam nessas plataformas possuem auxilio de publicadoras e, bem, deixam de ser indies.

Mas vamos à parte interessante disso tudo. Que tal desburocratizar todo esse esquema de publicação e torná-lo mais interessante, acessível e mais focado? Você já ouviu falar das plataformas de publicação Gamejolt e Itch.io? Ambas são voltadas especificamente para conteúdo independente e o acesso e publicação são extremamente fáceis.

Vamos começar pela Gamejolt. Esta plataforma oferece uma forma de monetização parecida com o que acontece nas plataformas mobile. Atualmente a opção de monetização direta, através de precificação do jogos, está indisponível, porém a plataforma oferece anúncios e propagandas para monetizar o desenvolvedor baseado na quantidade de views e downloads, ou plays no caso de jogos para browser, que o jogo possuir.

social-share-header.6b02030dA Gamejolt é uma excelente plataforma para se criar um vasto portfólio de desenvolvimento de jogos e também possui um esquema muito simples e fácil para aqueles que desejam participar ou sediar suas próprias Game JAMs. Além disso a plataforma fornece um suporte excelente para leaderboards, achievements entre outros recursos extras através de uma API que suporta inúmeros dos mais conhecidos Game Engines utilizados atualmente (e até uns bens antigos). Vale a pena dar uma conferida.

itchio-blackPor fim vamos falar da Itch.io, uma das plataformas de publicação que eu particularmente achei mais fenomenais até agora. Essa plataforma te dá a possibilidade de publicar todo tipo de conteúdo voltado para indie games: livros, desenhos, pinturas, músicas, efeitos sonoros e visuais, plugins, softwares, e claro o próprio jogo e funciona também como uma rede social para desenvolvedores indies, você pode seguir, curtir e comentar atividades de vários estúdios entre outras coisas bem voltadas ao networking. Até aí nada demais, porém o sistema de monetização é um dos mais abertos que eu já tive o prazer de experimentar e é conhecido como “Name your price”. O produtor pode publicar o conteúdo com um preço mínimo e um preço sugerido, o comprador pode pagar o quanto a mais, do valor mínimo, ele acreditar que o produto vale.

Parece estranho, não? É claro que vamos sempre pagar pelo preço mínimo, não vamos ter incentivo nenhum para pagar mais do que isso. Porém a Itch.io fornece para os publicadores uma jogada de marketing bem conhecida no ramo dos jogos: conteúdo exclusivo. Imagine que você durante o desenvolvimento do seu jogo salvou vários rascunhos, vários protótipos, artes, assets, e resolveu que eles não iriam para a versão final do jogo. Porém, sábios como somos, resolvemos disponibilizar uma quantidade limitada destes recursos para os fãs do nosso jogo terem acesso a uma skin, um making of, ou o que seja.

A Itch.io fornece uma plataforma onde você pode publicar esses recursos e atribuir um valor para eles, por exemplo você pode estipular que as primeiras 200 pessoas que pagarem 20 dólares pelo jogo vão levar um post mortem contendo um making of, um artbook e um pack de OSTs completas. Isso vai incentivar seu público a querer pagar um valor mais alto por um recurso limitado, fornecendo prestígio para os que fizeram a contribuição.

Uma outra funcionalidade que a Itch.io fornece é a possibilidade de gerar, importar, exportar e gerenciar chaves de acesso para seus jogos, e recentemente foi implementado o Itch.io Refiner uma ferramenta para gerenciamento de jogos em early acess, onde keys, feedbacks, atualizações e afins podem ser facilmente gerenciados pelos desenvolvedores.

Estas duas últimas são excelentes para quem está querendo ingressar na vida de desenvolvedor indie. Exponha seus jogos, mostre para o mundo o que você fez, afinal todos merecemos conhecer as obras que você é capaz de fazer.

Para ter um lançamento bem-sucedido eu recomendo a leitura do sétimo capítulo do livro Introdução ao Desenvolvimento Independente de Jogos, de Raphael Dias. O capítulo é voltado exatamente para técnicas de marketing e dicas de publicação e lançamento.